1 novembro 2016
1 novembro 2016, Comentários 0

Como ocorre desde 1986, ininterruptamente, o Centro Espírita Dr. Bezerra de Menezes da cidade de Santo André – SP , realizou, em 23.10.2016, o XXX Encontro Fraternal com Divaldo Franco.

O evento realizou-se nas múltiplas e espaçosas instalações do Instituto Assistencial e Educacional Amélia Rodrigues, que tornaram-se acanhadas e insuficientes para acomodar as mais de 3.000 pessoas que acorreram ao local para ouvir Divaldo Franco.

Assomando à tribuna, Divaldo inicia o encontro afirmando que o ser humano busca desde épocas recuadas entender a finalidade da vida e do Universo e a razão do sofrimento.

Com sua habilidade e grande conhecimento Divaldo aborda o Sofrimento e suas várias expressões, bem como as ocorrências que nos levam ao sofrimento e também as melhores maneiras de conviver de forma melhor e nos libertarmos do sofrimento. Para tanto Divaldo ilustra e compara a Filosofia pré e pós Socrática – amplamente adotada pelo Ocidente e baseadas na observação, ideias e no fato – com as abordagens desenvolvidas pelos Egípcios, Hebreus, Babilônicos e Indianos e baseadas nas Revelações Mediúnicas oferecendo de maneira mais simples as diretrizes para uma vida de equilíbrio e em paz.

 

Encaminhando o tema Divaldo utiliza-se de George Gurdjieff e Piotr Ouspebsky filósofos do autoconhecimento que afirmavam que, do ponto de vista psicológico o ser humano é constituído de cinco (5) características:

1. Personalidade (É a “máscara” que afivelamos à face e que faz parte do nosso ser)

2. Conhecimento (São as aquisições intelectivas e formada pelas lições de aprendizagem)

3. Identificação (São as sintonias daquilo com o que temos afinidade e melhor nos identificamos)

4. Consciência (Que atuando com o Conhecimento formam a base do discernimento. A consciência possui níveis diferenciados como será abordado a seguir)

5. Individualidade (O elemento que o egoísmo procura defender a todo custo)

Divaldo aborda a seguir os níveis de consciência que vamos galgando nas sucessões das vivências e ilustrou cada um desses níveis permitindo a todos identificar aquele em que estagiamos, permitindo-nos, assim, estabelecer um programa pessoal de aperfeiçoamento.:

1. Consciência de sono SEM sonhos (Só pensa em si próprio: É meu)

2. Consciência de sono COM sonhos (Temos ideais e não somente o desejo de acumular)

3. Consciência de sono ACORDADO (A consciência que não mais está sonolenta pelo egoísmo)

4. Consciência de Si mesmo. (Quando o Ego – a máscara que afivelamos à face e que luta por defender a qualquer preço nossa Individualidade – toma conhecimento dos conteúdos psíquicos. Quando eu sei o que DEVO fazer porque POSSO fazer). Nesse ponto Divaldo expande ainda mais as explicações e enumera as 7 (sete) funções que a Consciência vai permitir controlar na máquina orgânica: I) Função Emocional; II) Função Intelectiva; III) Função do Instinto; IV) Função ds Movimentos; V) Função Sexual (Polaridades Feminina e Masculina permitindo equilibrar a psicologia à anatomia); VI) Função Emoção Superior e VII) Função Intelectiva Superior

5. Consciência Cósmica. (Já não sou eu quem vive, mas Cristo que vive em mim. Gálatas 2:20)

A tecnologia e a ciência auxiliam, mas somente o amor edifica permanentemente. Divaldo nos convida a amar. Amar, como nos convidou Jesus o tipo mais perfeito que Deus deu aos homens para lhes servir de Modelo e Guia. Prestar atenção aos “invisíveis” que nos cercam.

Divaldo Franco, emocionou a todos ao narrar um fato ocorrido recentemente.

Divaldo estava em um restaurante quando ao passar por um modesto servidor afro descendente, ouviu Joanna de Ângelis lhe falar na acústica da alma: Não vá embora desse local sem antes dar um abraço no profissional que te serve à mesa.

Divaldo assim o fez agradecendo a fineza e profissionalismo com o qual fora servido.

Oportunamente o servidor humilde buscou a companhia de Divaldo para agradecer-lhe o gesto de afeto e respeito. E Confessou que planejava naquele mesmo dia cometer suicídio pois fora diagnosticado com câncer terminal, mas que o carinho recebido daquele estrangeiro estranho levou-o a repensar sua decisão.

Com as emoções permeando a todos que ouviam esses esclarecimentos, Divaldo aborda a questão das aflições dos tumultuosos dias atuais, iniciando com a abordagem da obsessão e de suas 3 (três) formas de apresentação, conforme a brilhantemente definiu Allan Kardec: Obsessão Simples (Predisposição para as coisas negativas); Obsessão por Fascinação (onde se é mais controlado pelos Espíritos do que pela própria consciência); Obsessão por Subjugação (estado onde os Espíritos subjugam a vontade e têm controle das Emoções e/ou Psíquico e/ou Físico).

A obsessão pode, ainda, ser no âmbito individual como também COLETIVA levando as criaturas a um estado de irritabilidade, violência, agressividade muitas vezes por coisas ou acontecimentos de importância secundária.

Dessa forma, Divaldo nos adverte e recomenda, NÃO devemos nos afligir por esses acontecimentos e nem pelas interferências do mundo Espiritual inferior; Quando algo desagradável nos acontecer devemos efetuar uma autoanálise e questionarmos nosso estado emocional (Isto é meu ou não). O convite maior é para mudarmos as nossas paisagens mentais

O Evangelho de Jesus é o recurso ao qual devemos apelar nesses instantes de turbulência e interferência espiritual negativa. Deixemo-nos envolver pelas palavras de Jesus:

— Não vos deixarei órgãos. Voltarei para vós. (João 14:18)

— Vinde a mim todos vós que estais sobrecarregados e aflitos e eu os aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve. Mateus 11:28-30)

Lembremo-nos das palavras do Amigo jesus nos momentos em que estivermos com raiva, com , mágoas, inconformados ou irritados. Nesses momentos NÃO devemos tomar nenhuma atitude até nos acalmarmos.

Não devemos valorizar o mal que os maus nos fazem e nem permitir que nos tirem a alegria de viver.

Os Bons Espíritos nos propõem: Não posterguem a felicidade para o Natal ou outra data comemorativa. Não vinculem a felicidade a nada e nem a ninguém. Não vivam presos àquilo que vos faltem.

SEJA FELIZ HOJE!

Jesus é a personalidade mais biografada da humanidade, mesmo levando-se em conta de que Jesus teve vida pública de – somente – quase 3 (três) anos.

Há aqueles que O odeiam por não lhe poderem seguir os ensinamentos sublimes.

Há aqueles que O amam a ponto de doarem suas vidas em holocausto de amor.

Há, ainda, um grande número daqueles que lhes são indiferentes, por não O conhecer.

Muitos o consideram um notável filósofo. Outros O têm como um grande Místico e ainda vamos encontrar aqueles que o tomam como um eficaz Anarquista.

Jesus é o Modelo, Guia e Mestre de toda a Humanidade que, com seu amor incondicional por todos nós, é exemplo para nossos comportamentos e que nos indica a direção a seguir além de nos legar ensinamentos imortalizados na forma sucinta do Sermão da Montanha, principalmente nas Bem Aventuranças.

Hoje, nesses dias tão atormentados e atormentadores, devemos buscar Jesus, refletir sobre Suas palavras e vivenciá-los mantendo nossas mentes a Ele vinculadas pelos pensamentos de teor elevado.

Busquemos encontrar um sentido psicológico para nossas existências, pratiquemos o bem.

Mesmo nesses dias difíceis deixemos brilhar a luz de Jesus a iluminar os nossos dias e todos os nossos momentos e optemos pela alegria de viver e, principalmente, de nos amarmo-nos a nós próprios.

Saiamos daqui com a certeza de que a vida é aquilo que dela fazemos.

A psicosfera que a todos envolvia era de muito amor. Dúlcidas vibrações de paz, harmonia e serenidade perpassava por todo o ambiente. Nessa atmosfera espiritual, que a todos emocionava, Dr. Bezerra de Menezes, pela psicofonia de Divaldo Franco, presenteou-nos com sua mensagem de incentivo, esperança e principalmente de trabalho e irrestrita confiança em Jesus, nosso Sublime Timoneiro e nos designíos de Deus

Finda a comunicação do Médico dos Pobres, o silêncio perdurou ainda por um longo tempo. As palmas espocaram traduzindo o reconhecimento de todos pela mensagem de consolação e de esperança como luzes a balizar nossos passos nas sombras que buscam envolver a humanidade nos dias atuais.

Um pensamento repercutia no recôndito das almas, luarizadas pelas bênçãos que a todos envolviam:

— Não vos deixarei órfãos. Voltarei para vós.

Texto: Djair de Souza Ribeiro
Fotos: Sandra Patrocinio

Comments are closed.