26 agosto 2016
26 agosto 2016, Comentários 0

No início da tarde, Divaldo Franco foi entrevistado pelo Jornal Zero Hora, quando falou sobre o momento atual de insegurança, afirmando que há uma verdadeira guerra não declarada. Para responder positivamente, anulando o mal que ainda viceja no seio da humanidade, é necessário acalentar os corações dos que se encontram em aflição, diminuir a dor dos que não encontram consolo. A violência, disse, é uma doença da alma, conforme conceito da Organização Mundial da Saúde. Para debelar a violência, a solução é a educação, o fortalecimento da família e o investimento no campo socioeconômico. Compreende-se que o mal vige em a sociedade humana devido a existência de pessoas particularmente perturbadas. Na atualidade a humanidade se encontra em condições melhores do que no passado.

 

Há mais amor, solidariedade, compreensão, caridade. As pessoas encontram-se ávidas por mensagens de conforto ofertadas pela Doutrina Espírita, não buscam a Divaldo, particularmente, mas a mensagem que lhes deem ânimo, confiança e alegria de viver. Destacou que o caminho para a felicidade é viver a proposta de Jesus, amando-se e amando o semelhante, plenificando-se através do exercício do amor. Sobre a tecnologia, afirmou que é uma bênção, pois que, usando racionalmente, torna-se uma ferramenta para a evolução. Usando uma citação de Fiódor Mikhailovich Dostoiévski, escritor russo, Divaldo destacou a sentença que se encontra na obra “O Idiota”: A beleza salvará o mundo! -, para dizer que o ser humano ao aperfeiçoar-se torna-se mais aformoseado.

No final da tarde, atendendo convite da Diretoria Executiva da Federação Espírita do Rio Grande do Sul – FERGS -, Divaldo visitou a sede que se encontra em novo endereço, na Travessa Azevedo, 88, bairro Floresta, em Porto Alegre. Recebido com alegria pelos dirigentes e auxiliares, e enquanto percorria as diversas dependências, foi apresentando as informações que lhe chegavam através de Espíritos desencarnados, antigos dirigentes e colaboradores, agregando orientações. Instado a dirigir algumas palavras aos presentes, Divaldo destacou que as edificações físicas, por mais sólidas que sejam, desgastam-se com o tempo, tornam-se escombros, porém, o que permanece é a edificação interior de cada ser, aprimorando-se, depurando-se no trabalho incessante do bem, pacificando-se, construindo o templo interno com a ação do amor. Destacou que sentia-se feliz ao visitar a “Casa do Espírita”, conforme designação de Francisco Spinelli. O Cristo é luta, e a condecoração do verdadeiro cristão é a chaga cicatrizada, atendendo os aflitos e desvalidos, como símbolo da Nova Era, oferecendo a dádiva da solidariedade, trabalhando unidos, sem receio

Texto: Paulo Salerno
Fotos: Jorge Moehlecke

Comments are closed.