15 Abril 2018
15 Abril 2018, Comentários 0

Divaldo Franco em Santa Catarina

Balneário Camboriú, 15 de abril de 2018

Movimento Você e a Paz

Balneário Camboriú recebeu Divaldo Franco para mais uma edição do Movimento Você e a Paz. Foi a sua 7ª edição, realizada na Praia Central, Pontal Norte, na tarde do dia 15 de abril de 2018. Apesar do tempo nublado, o público esteve presente em massa para ouvir a mensagem da paz. Nas areias da praia, nas calçadas contíguas e nos prédios próximos, as pessoas permaneceram atentas para ouvir o verbo luminífero do arauto da paz, Divaldo Pereira Franco, criador desse movimento que se expande por diversas cidades do Brasil e do Exterior, desde 1998.

 

 

 

O Coral da Secretaria Municipal da Pessoa Idosa trouxe a sua mensagem de paz através de belas interpretações, cantando Ave Maria e Eu só peço a Deus, arrancando aplausos efusivos. Além de Divaldo Franco, idealizador desse magnífico evento, estavam representadas a Ordem dos Advogados do Brasil, subseção de Balneário Camboriú, com o seu Presidente Juliano Mandelli Moreira; o Prefeito Municipal, Fabrício Oliveira; a Secretaria de Articulação Governamental, com Omar Tomalih; a Secretaria de Turismo, com Nelson Oliveira; a Secretaria da Pessoa Idosa, com Christina Barichello; a Empresa Brasileira de Edificações – EMBRAED -, através de sua administradora Tatiana Rosa Cequinel; a Federação Espírita Catarinense, com a sua Presidente Esther Fregossi; a Confraria Artistas e Poetas pela Paz – CAPPAZ -, representada por Eduardo Torto; o Movimento Você e a Paz do Paraguai, com Milciades Lescano; o Movimento Você e a Paz do Equador, com Juan Danilo Rodríguez; e a Universidade Internacional da Paz – UNIPAZ -, com Rovani Ferreira.

Juliano Mandelli Moreira, da OAB, destacou o excelente serviço prestado por Divaldo Franco à Humanidade, sendo um grande líder propagador da paz íntima, para que se exteriorize através de ações pacificadoras.

Fabrício Oliveira, Prefeito Municipal, frisou que a paz deve ser compreendida com um estado de espírito e se constitui em uma decisão buscada por cada ser humano, que se pacificando, tem a responsabilidade de propagar a paz.

Foram prestadas algumas homenagens, registrando, assim, o reconhecimento pelos esforços em prol da construção da paz. A seguintes entidades foram agraciadas: a OAB, subseção de Balneário Camboriú; a Prefeitura Municipal de Balneário Camboriú; a Secretaria de Turismo de Balneário Camboriú; a Secretaria de da Pessoa Idosa de Balneário Camboriú; a Federação Espírita Catarinense; a Confraria Artista e Poetas pela Paz – CAPPAZ; a Universidade Internacional da Paz – UNIPAZ; a Empresa Brasileira de Edificações – EMBRAED; o Movimento Você e a Paz do Paraguai; e o Movimento Você e a Paz do Equador.

Divaldo Franco, Embaixador da Paz no Mundo, recebido com muito carinho e entusiasmo, ao pronunciar-se, destacou que a paz é o fenômeno mais esperado no campo psicológico da humanidade. A paz somente se estabelecerá através de um estado interior. Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. (Jesus) (João 14:27). Fazendo uma reflexão profunda sobre a paz, constata-se que o homem, ainda belicoso, estabelece leis para a vigência da paz, porém, descumpridas ao impacto das ações bélicas em todas as latitudes e longitudes da Terra, o homem impõe-se perante os vencidos, dominando-os implacavelmente.

Na atualidade a humanidade vive apreensiva ante o avanço da violência de toda ordem, é um momento muito grave. Há mais de 2.500 anos Isaias profetizou: Damasco viraria escombros. Essa é a realidade atual. A cidade foi transformada em um cemitério de edificações devastadas, sem vida. Seus habitantes a abandonaram. Ao analisar esse estado beligerante, a ação predatória do próprio homem, a ausência de padrões éticos, poderia se dizer que a violência, a ausência total de paz, estabelecera o caos na face do Planeta. Porém, assim não acontece, pois que, enquanto alguns estão voltados para a violência, muitos outros, como aqueles que se encontram em um evento como o que aqui está acontecendo, estão dirigindo suas energias procurando o caminho para a paz.

A tecnologia faz parte da vida do homem moderno, tornando o mundo acessível a qualquer um, porém, o homem ainda não foi capaz de estabelecer a solidariedade, a ternura, o amor. Ainda não aprendeu a suportar-se uns aos outros, sendo sempre intolerante. Há a necessidade de as criaturas humanas volverem seus olhos para Deus, colocando-O dentro de si, para que se exteriorize, acolhendo, perdoando, amando o semelhante sem imposições ou condições.

O medo, a ira, o ódio, a vingança, somente poderão ser controlados pelo amor, pela ternura, utilizando a palavra gentil para com todos, bons ou não. A humanidade já experimentou inúmeras formas de construir a paz, nenhuma apresentou resultados satisfatórios. Está na hora de o homem tentar o AMOR para construir a paz. Uma paz que repouse em base éticas e morais elevadas, na solidariedade, no respeito ao próximo.

O arauto da paz sublinhou que o amor é de fácil aquisição. Segundo a mentora Joanna de Ângelis o amor é a alma de Deus que está no mundo escrevendo a sua mensagem. Muitos há, e houveram, que por suas ações pacifistas e pacificadoras honraram a mensagem de AMOR, trabalhando incessantemente, silenciosamente, em favor dos oprimidos pela violência, seja institucional, seja individual. Seus exemplos devem ser seguidos, colocados em prática. Jesus, o Homem AMOR, é o modelo por excelência.

Narrando histórias reais, Divaldo trouxe para perto de si, em um colóquio sinceramente amoroso, o público que o escutava atentamente. Havia um espírito de intimidade entre o orador e seus ouvintes, havia a identificação de propósitos, todos ali estavam porque acreditam na paz, porque a possuem em graus variados dentro de si.

Seis itens foram estabelecidos pela UNESCO para a concretização da paz: 1) preserve a paz; 2) não aceite a violência; 3) seja generoso; 4) ouça para compreender; 5) respeite a natureza; 6) reviva a solidariedade. A criatura humana possui a fortaleza de uma rocha, ela é boa, porém pouco educada. A educação é o último recurso para a humanidade alcançar um estado de paz duradouro. Dirigindo-se aos catarinenses, por quem devota imenso amor, Divaldo desejou uma vida de paz, abandonando a queixa, adquirindo a perfeição.

Declamando o Poema Meu Deus e meu Senhor, de Amélia Rodrigues, Divaldo encerrou o nobilitante trabalho em prol da não-violência, falando aos corações, sensibilizando as mentes. Os aplausos foram duradouros e intensos, reconhecendo no orador de escol, o ser pacífico que escolheu a paz como alimento para si, amando o seu semelhante com toda a sua alma. Cantando a canção Paz pela Paz, de Nando Cordel, o numeroso público fez ecoar na orla e nos prédios vizinhos a voz da paz reafirmando que todos os que ali estavam possuem a paz em si, ou o seu embrião.

Texto: Paulo Salerno
Fotos: Jorge Moehlecke

Comments are closed.