1 maio 2016
1 maio 2016, Comentários 0

Divaldo Franco – Workshop 2016

A Felicidade é possível

1º de maio de 2016 – Salvador-BA

O Fiesta Convention Center engalanou-se para receber as 1700 pessoas inscritas para participarem desse evento sobre a felicidade possível, sob a coordenação de Divaldo Franco. Entre outras lideranças espíritas, esteve presente o Presidente da Federação Espírita Brasileira, Jorge Godinho Barreto Nery. A música ficou a cargo do saxofonista Josué, que encantou com o brilhantismo de suas apresentações. Antecipando as comemorações pelo 89º aniversário de Divaldo Franco, que transcorre no dia 05 de maio, foi lhe prestada uma vibrante homenagem. Vivamente emocionado, Divaldo reconhecidamente agradeceu a homenagem, o carinho, o devotamento e o amor que lhe devotam, tanto quanto agradeceu a presença amiga de todos os presentes oriundos de 16 Estados e de três Países.

 

Com duas perguntas iniciou o seu belo trabalho. Será possível ser feliz? O que é a felicidade afinal? A felicidade, expos, parte do coração para o exterior, é um estado de plenitude. O importante é que o sol da alegria brilhe na intimidade da alma, apesar das dores, dos percalços que a vida oferece. A felicidade consiste em lutar internamente para sentir-se plenificado apesar dos desencantos. Os conceitos de Anaxágoras e de Anaxímenes foram ligeiramente apresentados, preparando o desenvolvimento para o estudo da conquista da felicidade sob a ótica dos filósofos gregos Epicuro, Diógenes, Zenão e Sócrates.

Epicuro, com sua filosofia hedonista, apregoava que para ser feliz seria necessário possuir, ter. Para Diógenes, ao contrário, a felicidade seria não ter nada, pois entendia que aquele que tem não é o possuidor, mas é possuído pelo que tem, tornando-se seu escravo. A terceira vertente filosófica grega é a doutrina estoica, de Zenão de Cítio, aquela em que a pessoa deveria abandonar-se a um estado de apatia, resistindo à dor, em uma demonstração de virtude. A proposta socrática, por sua vez, preconiza que a felicidade não consiste no “ter”, mas sim em “ser”, em cultivar-se os valores ético-morais, vivendo de acordo com a consciência. Essa proposta de Sócrates, sobre a felicidade, está em perfeito acordo com os ensinamentos contidos em o evangelho de Jesus.

Incentivando a conquista da felicidade, desde agora, Divaldo sugere não deixar bens materiais, mas que os doe antes de desencarnar, tranquilizando-se por já não possuir a posse, que em muitos casos é a verdadeira possuidora. Exerça o prazer de doar, ensinou o orador baiano, veja sempre o lado bom da vida, seja altruísta, desprendido, otimista. Esteja sempre disposto a aprender, mesmo nos infortúnios.

A felicidade é possível, para tal é necessário que o indivíduo se utilize do recurso terapêutico de sentir-se feliz, erradicando a tristeza, a apatia, tornando-se alegre e contagiando com essa alegria os que estão próximos. Baseado nos estudos da Dra. Susan Andrews, psicóloga pela Universidade Harvard, atualmente radicada no Brasil, Divaldo discorreu sobre as cinco ilusões a respeito da felicidade: a riqueza, a juventude, o sucesso, o prazer, e a felicidade condicional, isto é, somente serei feliz quando…

Com base em vários pensadores e pesquisadores do psiquismo humano, Divaldo Franco alinhou alguns conceitos, entre outros, como: a felicidade não é a riqueza, embora a riqueza possa gerar momentos de bem-estar; ser feliz é preocupar-se em ser melhor, e não em ter muito; a felicidade real é sentir-se pleno consigo e com as circunstâncias; e desenvolva o bom hábito de tratar com benignidade os familiares, também.

Finalizando o enriquecedor trabalho, Divaldo, que estará viajando para a Europa no dia 02 de maio de 2016 para desenvolver um roteiro doutrinário até o dia 30/05, externou a sua gratidão aos presentes de um e do outro lado da vida, desejando que cada um retorne com um sorriso, com a alegria de estar vivo, gratos a Jesus e a Deus. Após declamar o Poema da Gratidão, de Amélia Rodrigues, o intimorato orador foi homenageado, novamente, pelo transcurso de seu aniversário em dias próximos, com o público cantando o Parabéns a Você.

Presente, também, a sobrinha-neta de Manoel Philomeno de Miranda (14 Nov 1876 – 14 Jul 1942), destacado colaborador espírita brasileiro, a Senhora Consuelo Pereira Moreira.

Texto: Paulo Salerno
Fotos: Jorge Moehlecke

Comments are closed.