30 junho 2017
30 junho 2017, Comentários 0

Divaldo Franco no Paraná

Pato Branco, 30 junho de 2017

O Clube Pinheiros, de Pato Branco/PR, ficou lotado. Foram mais de duas mil e quintas pessoas presentes que assistiram Divaldo Franco falar sobre Jesus e de como Ele toca as almas sedentas de amor.

Sob a coordenação da 14ª União Regional Espírita, da Federação Espírita do Paraná, e estando presentes as lideranças espíritas da cidade, região e do Estado, o evento serviu também para homenagear o ilustre orador, porta-voz dos Espíritos benévolos, pelos seus 70 anos de oratória. A homenagem foi materializada através de uma placa, registrando os atributos de fidelidade e de incansável mensageiro do Cristo, que há 64 anos desenvolve atividades doutrinárias no Paraná.

Marcelo Archetti, cantor, músico e compositor, encantou o público ao apresentar-se e homenagear Divaldo. Suas excelentes apresentações sensibilizaram os presentes, harmonizando-os através de melodias cuidadosamente selecionadas.

 

 

Esparzindo luzes, tocando os corações e sensibilizando as mentes, Divaldo Franco, com sua voz cristalina, esclarecedora, vai servindo o Cristo onde quer que se encontre, acolhendo os aflitos, levantando-lhes o ânimo através do emprego do código divino, o amor, destacando a esperança em dias melhores, mais justos, com equilíbrio ético e moral.

Divaldo agradeceu a honra de ser bem recebido, desde a 1ª vez em que esteve em terras paranaenses, encontrando e reencontrando almas que lhe estão vinculadas, expressando que a maior dívida, segunda a escritora sueca Selma Lagerlöf (1858-1940), é a da gratidão. A gratidão é uma estrela que fulge em a noite dos sentimentos.

A mensagem de Jesus, ínsita em o Novo Testamento, tem, ao longo da história, sensibilizado o homem sedento de justiça e paz. São inúmeros os exemplos de criaturas que ao conhecê-Lo abandonaram velhas posturas, conceitos e hábitos para tomarem para si os postulados do Cristo, transformando suas próprias vidas, e de outros, em hinos de amor a Deus, ao próximo e a si mesmo.

Fiódor Dostoiévski (1821-1881), escritor, filósofo e jornalista russo, afirma, em sua obra O Idiota, que a beleza salvará o mundo; Léon Tolstói (1828-1910), escritor russo, autor da obra Guerra e Paz; Mohandas Karamchand Gandhi (1869—1948), libertador do povo indiano e paquistanês, pacifista por excelência; e Martin Luther King Jr. (1929-1968), pastor protestante e ativista político estadunidense, possuem em comum o desejo de paz, de amor ao semelhante. Encontraram as premissas e as ações para o estabelecimento da paz e da conquista do amor na profunda mensagem de Jesus.
Esses, e muitos outros, mudaram de atitudes ao conhecerem Jesus, narrado no Novo Testamento.

Sir James Jeans (1877-1946), astrônomo, matemático e físico inglês, afirmava que a criatura humana vive em um Universo onde o amor é a força motriz. Essa ideia é igualmente compartilhada por Albert Einstein (1879-1955), físico teórico alemão radicado nos Estados Unidos, que asseverava que além das quatros grandes forças sustentadoras e mantenedoras do Universo há uma ainda mais poderosa, o amor.

Allan Kardec, o insigne codificar da Doutrina Espírita, ao apresentar o Espiritismo para a humanidade, estabeleceu que a crença em Deus, na imortalidade da alma, na comunicabilidade entre os homens e os Espíritos, a pluralidade das existências e dos mundos habitados, bem como a existência da ética moral do evangelho, são princípios norteadores para a construção de um indivíduo capaz de amar, pacífico e pacificador.

No campo da ciência o homem fez grandes conquistas, conhecendo vários mecanismos e seus aspectos, desde os infinitamente pequenos ao macrocosmo. Conhecendo-se os efeitos, o homem sensato terá que admitir que há uma causa geratriz. Contudo, esse mesmo homem, tem negligenciado em se fortalecer. Ao adquirir hábitos éticos e morais compatíveis com as leis divinas, possuindo um sentido, um significado, para a vida, como tão bem esclarecem alguns eminentes pesquisadores da psique humana, tais como Viktor Frankl e Carl Gustav Jung, o homem dignifica-se, tornando-se em alguém melhor.

O homem é um Espírito no caminho da imortalidade. Entre o mundo corpóreo e o mundo dos Espíritos há somente a mudança do estado energético onde se encontra a criatura, construindo a sua felicidade, tomando por desafio amar, descobrindo o Cristo interno, autodescobrindo-se.

Orador por excelência, didático, Divaldo narrou exemplos de como o amor opera em a intimidade do homem, transformando a criatura para melhor. A Doutrina Espírita, um tesouro inigualável, tem a tarefa de educar as almas, destacar a beleza da imortalidade, o sentido da vida, o amor ao próximo e a si mesmo. Todo aquele que ama não adoece, embora possa ter doença, afirmou o Professor de Feira de Santana, na Bahia.

A depressão e as dores íntimas, e que se adentram aos lares de milhões, devem ser trabalhadas com os ingredientes do amor, principalmente aos que estão mais próximos. O momento atual é de crises individuais, mas que formam a grande crise estrutural do Planeta, somando-se. Para essas misérias humanas o convite é reencontrar a alegria de viver, abandonando o Ego, adotando a solidariedade, pois que as criaturas não são autossuficientes, necessitando uma das outras para o crescimento interno e externo.

Os que amam sabem encontrar os invisíveis da sociedade, isto é, aqueles que não são notados em suas dores e aflições. É necessário que cada um procure descobrir esses invisíveis, minorando-lhes o sofrimento, sendo solidários, partícipes, abraçando-os, colocando o evangelho de Jesus na prática, levando em conta que o jugo é suave e que o fardo é leve.

Finalizando a magnífica conferência, Divaldo concitou a que se adote como mecanismo de vida os postulados de Jesus, compreendendo que Ele está de volta, convidando a estar com Ele, sem se deixar abater pelas dores próprias ou de outrem. Não permita que o mal dos maus te faça mal, perdoando, fazendo-se merecedor da felicidade, não carregando mágoas, iras. O amor, a solidariedade, o sentido da vida são bases para a felicidade. Recitando o Poema da Gratidão, Divaldo foi calorosamente aplaudido. A semeadura foi realizada, cabe a cada um preparar o próprio solo íntimo para acolher as sementes do Cristo. Concluído este roteiro doutrinário em terras do belo Estado do Paraná, o semeador incansável foi em busca de outros solos. Onde? Não importa, pois que o semeador, semeia, semeia, semeia…

Texto: Paulo Salerno
Fotos: Jorge Moehlecke

Comments are closed.