8 junho 2017
8 junho 2017, Comentários 0

Divaldo Franco na Europa
Viena, Áustria, 08 de junho de 2017

Na noite de 08 de junho de 2017, quinta-feira, nas instalações do Regina Hotel, no centro da bela Viena, Áustria, foi onde se deu o encerramento do que podemos denominar como um roteiro de luz. Estava, pois, se concluindo mais uma grande jornada de divulgação da Doutrina Espirita. Ao longo dos últimos 30 dias, o incansável Divaldo Pereira Franco percorreu 12 países e 22 cidades da Europa levando sua palavra de estímulo, sua alegria de viver, a renovação e a esperança à muitos corações afetuosos e a todos que o ouviram. Somente os obstinados possuem as fibras necessárias para
realizarem uma atividade desta magnitude. Foi um trabalho hercúleo, levando os ensinamentos de Jesus Cristo aos famintos da alma, que todos somos.

Desenvolvendo o tema autoiluminação, atendendo ao convite dos amigos do Verein für spiritistische Studien Allan Kardec – VAK/Viena, e contando com o valioso auxílio de Edith Burkhard, que verteu a conferência para o idioma alemão, Divaldo Franco, com seu verbo iluminado, sensibilizou os presentes, tocando-lhes as suas fibras íntimas, falando-lhes ao coração, destacando a fundamental importância na transformação interior.

 

 

 

Como habitualmente vem fazendo neste roteiro de luz, Divaldo apresentou o seu amigo, que o acompanhou por todo o percurso, o Dr. Juan Danilo Rodríguez, médico, fundador de uma instituição holística em Quito, no Equador, dedicada ao tratamento e cura do autismo, e também fundador do primeiro centro espírita do Equador. Dr. Juan fez referência à sincronicidade e a Lei de Causa e Efeito, onde cada indivíduo encontra-se no local e na situação que necessita para evoluir, referindo-se especialmente àqueles que deixaram o país onde nasceram para florescer em outras pátrias,
buscando, todos, a autoiluminação, o crescimento espiritual.

O trator de Deus, nas palavras de Chico Xavier, Divaldo Franco, asseverou que a criatura humana necessita alcançar a finalidade para qual veio à Terra, isto é, a plenitude, o estado numinoso, o Reino dos Céus. Esta é uma busca inevitável, uma vez que todos marcham na direção do progresso. Segundo o experiente expositor, o progresso moral não atingiu, ainda, os mesmos níveis do progresso intelectual, a humanidade prossegue sob o jugo das paixões inferiores, dos instintos agressivos e das necessidades imediatas do ego.

O psicólogo e professor Mira y Lopez (1896-1964), em seus estudos concluiu que existem gigantes devoradores de vidas. Assim, ele escreveu o livro Os Quatro Gigantes da Alma, comprovando que esses gigantes conduziram e ainda conduzem os homens às paixões, afastando-os da plenitude. A solidão, a ansiedade, o medo e o sexo tomaram conta do pensamento humano. Outros pensadores apresentaram projetos de autoajuda, em uma tentativa de buscar a própria paz. Muito se tem feito em benefício da humanidade, no oriente, por exemplo, a prática da meditação, a contemplação, as artes marciais são propostas para a conquista da autoiluminação.

O Espiritismo, uma ciência filosófica e moral, veio à lume em 1857, apresentando recursos para iluminar a criatura humana. Descobriu-se que o grande problema do homem é o próprio homem, que atribuindo aos outros a sua culpa, se permite vitimizar, sem coragem para assumir a realidade de sua fragilidade. O grande vazio que o ser humano enfrenta é a falta de um sentido existencial, vivendo sem um rumo norteador, sem objetivos. Apresentando exemplos de pessoas estoicas, que não se curvaram diante das negativas da vida, e sem desistirem, triunfaram, deixando um legado de
ensinamentos. Divaldo demonstrou ser possível alcançar a plenitude, sentindo-se feliz onde e como se encontra a criatura humana.

Com a sua verve característica, Divaldo narrou a bela Lenda da Calhandra, ou do Rouxinol, história real vivida e atribuída a Ernestine Schumann-Heink, famosa cantora de ópera, e Elizabeth Gladich, a pequena violinista. Inspirado, o incansável orador sensibilizou os ouvintes. A lenda é um exemplo de amor à vida, de valorização da presença de Deus no ser humano destacou o Embaixador da Paz no Mundo, afirmando que todos somos calhandras de Deus, que a cada um de nós Ele falou, vai e faz a tua parte, seja ela qual for. Assim, cantando as Glórias de Deus, os indivíduos devem buscar a felicidade, construindo-se no amor e plenificando-se.

O Espiritismo, afirmou o nobre orador, propõe a autoiluminação através da caridade, por ser a mais nobre autotransformação para melhor. A maior caridade é transformar o coração, amando-se, para poder amar aos outros. Espíritos nobres, interessados em nossa plenitude, são atraídos e nos ajudam a compreender que só estaremos realmente bem, quando tudo ao nosso redor estiver bem, salientou o venerando orador.

A verdadeira felicidade está na alegria de encontrar-se bem, fazendo todo o bem possível. A maioria das pessoas deseja uma felicidade sensorial, que cansa, enquanto uma felicidade transcendental plenifica. Quando damos, repartimos o amor, multiplicamos e nos plenificamos.

Concluindo a brilhante conferência, Divaldo deixou algumas interrogações com o objetivo de estimular reflexões:
– Qual é o ideal que você abraça?
– Qual o anseio que você possui para uma vida melhor?
– O que você está fazendo para o mundo melhorar?

Ao encerrar, deixando mais um estímulo, Divaldo Franco propôs o desenvolvimento da fraternidade, do amor, afinal, o caminho para a plenitude sempre será o amor.

Após a conferência o querido expositor ainda respondeu vários questionamentos, apresentando respostas calcadas em sua vasta experiência de vida, o que muito enriquece aos que o ouvem, afinal, a sua história se constitui em uma longa existência dedicada ao amor, ao próximo, à educação.

Para sua surpresa, os amigos locais o presentearam com uma linda torta, alusiva ao seu 90º aniversário transcorrido no último 05 de maio. Todos saíram repletos de alegria e felizes pela abençoada oportunidade de estar na companhia deste querido amigo, um verdadeiro apóstolo do Espiritismo.

Texto e fotos: Ênio Medeiros

Comments are closed.