25 maio 2017
25 maio 2017, Comentários 0

Divaldo Franco na Europa
Berlim, Alemanha, 25 de maio de 2017

Em 25 de maio de 2017, quinta-feira, foi a vez da bela e histórica cidade de Berlim, capital da Alemanha, receber Divaldo Pereira Franco pela 16ª vez. Ao chegar no aeroporto, já o aguardavam os amigos do grupo espírita SAJA – Studien-und Arbeitsgruppe Joanna de Ângelis e.V., para conduzi-lo ao hotel, afim de preparar-se para a conferência, marcada para o entardecer, com o tema “Das Leben Aus Der Sicht Des Spiritismus” (A vida na visão espírita). Como de hábito, a dedicada e eficiente Edith Burkhard foi a tradutora, vertendo o riquíssimo conteúdo da conferência para o idioma
alemão.

A data de 25 de maio assinala um feriado em quase toda a Europa, comemorando-se o “Christi Himmelfahrt” (Ascensão de Jesus), e, em Berlim teve lugar a “Noite das Religiões”, que movimentou muito além do normal a cidade. Diversas personalidades internacionais estavam capital alemã para a comemoração, tais como, Barack Obama, Dalai Lama, entre outros. Por esta razão os espíritas berlinenses marcaram a conferência para esta mesma data, somando-se, o Espiritismo, às comemorações deste dia especial.

 

Iniciando a conferência, Divaldo Franco, sempre fidalgal, de imediato apresentou o seu querido amigo Dr. Juan Danilo Rodríguez, médico de família, residente em Quito no Equador, fundador do primeiro centro espírita daquele país, médium, que ao fazer uso da palavra, com muita gentileza saudou o público, e em breves palavras repassadas de ternura, apresentou-se como trabalhador do Cristo.
Divaldo fez uma excursão através da história da humanidade. Citando Lord Bacon, – Francis Bacon, (1561-1626), político, filósofo e ensaísta inglês, considerado como o fundador da ciência moderna -, o ínclito conferencista destacou que, sob a ótica do filósofo inglês, uma filosofia superficial leva o indivíduo ao materialismo, enquanto uma filosofia profunda leva-o à uma filosofia espiritual. Com relação aos estudos de Galileu Galilei (1564-1642), frisou que as suas afirmativas apontavam que tudo no cosmos é resultado de exercícios matemáticos. Referindo-se, também, à Napoleão, disse que em 1804 assinou uma concordata com o Vaticano, estabelecendo que Deus voltava, a partir de então, novamente à França.  Neste mesmo ano nascia Hippolyte Léon Denizard Rivail, que passou mais tarde a ser conhecido como Allan Kardec. Tudo na história se encadeia sob o olhar e a ação atenta dos Benfeitores da Humanidade.

Falando sobre a trajetória de Alan Kardec, Divaldo Franco destacou que com o lançamento de O Livro dos Espíritos surgiu a Doutrina Espirita, marcando o seu nascimento, haja vista que antes já existia o espiritualismo. A nova doutrina ia mais além, pois provava que a imortalidade é real, comprovada através da comunicação dos espíritos, que há a Justiça Divina, que se apresenta na vida dos homens pela reencarnação, bem como destaca os ensinamentos morais de Jesus. Essa Doutrina é conhecida, também, por Espiritismo.

A conferência conduzida pelo Embaixador da Paz no Mundo, Divaldo Franco, foi uma aula de espiritismo. O experiente orador foi apresentando e discorrendo sobre todas as bases desta doutrina luminífera, uma ciência que estuda a origem, a natureza, o destino dos espíritos e as relações existentes entre o mundo material e o espiritual.

O Espiritismo, proporcionando o consolo diante da terrível dor da morte de um ser querido, assinala que aquele “morto” tem a possibilidade de voltar e manifestar-se, informando como se encontra. O Espiritismo se torna, portanto, em um excelente terapeuta. Desta forma, elucidou Divaldo, a maior caridade que se pode fazer a alguém não é dar coisas, mas é libertá-lo da ignorância. Livre dos dogmas, dos cultos externos, dos cerimoniais, o Espiritismo é a religião do amor, a que Jesus viveu.

Divaldo ainda citou Charles Richet (1850-1935), nobel de fisiologia, que se referiu à mediunidade como um sexto sentido. Nunca a humanidade necessitou tanto de amor como hoje. Cercado de conforto, porém vazio de sentido existencial, o homem moderno carece de metas que não sejam utilitaristas. A proposta da Doutrina Espirita é auxiliar as criaturas a se transformarem para melhor. Os conceitos espíritas são para a autoaplicação, para dar um sentido à vida, para enriquecer o dia a dia com virtudes e ações no bem.

Com jovialidade e brincando com a plateia acerca da vida, da sua idade, frisou que através do sorriso se alcança a descontração. Em sua habilidade ímpar, Divaldo foi conduzindo o tema, convidando ao exercício efetivo dos exemplos que cada um pode demonstrar, a bem viver, sorrindo, amando, tornando-se em um indivíduo solidário, fraterno, caridoso. Quem tem um ideal, não envelhece, a certeza da sobrevivência, o reencontro com as almas queridas, a lógica do sofrimento, a fé raciocinada, como referiu Kardec, são concentos e sentimentos que elevam o homem, dando-lhe segurança, esperança e confiança em Deus e na vida futura.

Finalizada a exuberante conferência, Divaldo foi muito aplaudido. Havia um sentimento de gratidão emanado por cada presente. Atencioso e amoroso, Divaldo respondeu às perguntas formuladas, concedeu autógrafos, sempre com carinho e atenção para com todos, que retornam para seus lares com a mensagem de alegria e conforto moral.

Divaldo Franco é um ser excepcional, a sua casa é o mundo, ele vai onde possa levar a luz cristalina da Doutrina Espírita. Onde o Cristo lhe solicita, ali ele está, o seareiro de Jesus. Bendito sejas, querido Divaldo!

Texto e fotos: Ênio Medeiros

Comments are closed.