27 maio 2017
27 maio 2017, Comentários 0

Divaldo Franco na Alemanha
Bad Honnef, Alemanha, 27 de maio de 2017

No sábado, 27 de maio de 2017, teve início o já tradicional Seminário na acolhedora cidade de Bad Honnef, próxima à Colonia, na Alemanha. O evento está sendo realizado no hotel Seminaris, e irá se prolongar até o domingo à tarde, intercalando atividades pela manhã, tarde e noite. A maioria dos cerca de 300 participantes se encontra hospedada no hotel, gerando um clima de amizade e fraternidade.

Neste ano o tema escolhido foi “Das Verletzte Kind: Psychologische Gründe des Menschlichen Leidens.” (A criança ferida: Razões Psicológicas do Sofrimento Humano). Para enriquecer e acolher os participantes, as atividades estão tendo a colaboração de Flávio Benedito, ao piano, e do barítono Maurício Virgens, apresentando belas páginas musicais, que com suas interpretações, sensibilizam e envolvem emocionalmente os assistentes.

Ao iniciar a sua abordagem, Divaldo Franco apresentou o seu estimado amigo Dr. Juan Danilo Rodríguez, residente em Quito, no Equador, que ao se pronunciar referiu-se à psicologia, bem como sobre a especial contribuição que a Doutrina Espirita oferece na diluição dos conflitos da criatura humana. Reconhecido, agradeceu o fenomenal trabalho realizado por Allan Kardec, e às suas consequências, e também à Divaldo pela oportunidade do contato com a amada doutrina.

Conduzindo o público para um clima de compreensão, visando uma perfeita assimilação do tema, Divaldo narrou a bela historia do lenhador humilde que recebeu o convite: – “homem, entra na floresta”. Este convite é uma alusão ao mergulho inadiável que o ser humano necessita realizar em si mesmo, para a sua transformação moral para melhor, bem como, é um convite ao enfrentamento dos desafios, dos conflitos, das aspirações, que compõem a floresta dos problemas humanos.

É necessário, afirmou o nobre conferencista, que a criatura humana realize essa viagem para dentro de si, trabalhando para identificar a criança maltratada que quase todos carregam, que necessita de carinho, de atenção, que reclama cuidados, mas que, no entanto, não se empenha em modificar-se.
Facilitando o encontro consigo mesmo, o exímio conferencista questionou:
– O que a criança que eu fui, diria ao adulto que me tornei?
– Se a criança que existe em mim pudesse me perguntar:  estou contente, era isso mesmo que hoje vivo? Isso corresponde aos desejos daquela época infantil? Quais seriam as minhas respostas?

Conduzindo os presentes aos questionamentos íntimos, fazendo-os brotar na consciência de cada um, Divaldo Franco, com sua habilidade ímpar, dedilhando a fibras da alma humana como exímio violinista, despertou muitas emoções, objetivando direcionar os participantes para uma autoanálise mais profunda.

Aprofundando o tema, Divaldo adentrou-se pelo vasto terreno da educação, expondo a sua ampla e profunda experiência de educador que já educou dezenas de milhares de crianças e jovens na instituição Mansão do Caminho, em Salvador, no Estado da Bahia, no Brasil. Só o amor, afirmou, possui condições para trazer de novo à infância o homem adulto, mesmo aqueles que possuem dramas, carências. Somente o amor é capaz de apagar estas marcas negativas que os indivíduos possuem, em diversos níveis de amplitude e complexidade.

Ninguém sofre sem possuir débitos para com a Lei Divina. A dor não é um castigo Divino, é uma bênção que Deus concede aos homens, e a reencarnação é a sua lógica em ação. A dor é semelhante a um lapidador, que tomando um diamante bruto e sujo, o transforma em uma joia de alto valor.

Encerrando as esclarecedoras abordagens realizadas ao longo do dia, Divaldo, na sua sensibilidade amorosa, destacou a magnífica ação do Semeador Divino, Jesus, que concitava as criaturas a ir até Ele, acrescentando que é o caminho, a estrada das ovelhas, e aquele que, indo à Ele, mesmo morrendo, viverá.

Em um chamamento forte, o nobre conferencista estimulou os presentes a abrirem-se à vida, esclarecendo que o psiquismo Divino nos envolve, e que Jesus veio para nos consolar. Fazendo uma ligeira comparação, Divaldo explicou que, à semelhança do Espirito de Verdade, os pais desempenham a função de acolher, orientar e acompanhar a trajetória de seus filhos, doando-se integralmente a eles.

Este é um seminário terapêutico, sem sombra de dúvidas, todos estão tendo oportunidades de realizarem verdadeiras catarses, porém, o que mais impressiona é ver Divaldo Franco em ação o dia inteiro falando, atendendo a todos com alegria e carinho, não se permitindo ceder ao cansaço e ao desânimo. Pelo contrário, superando todos as limitações, ele impõe-se não desanimar nesta tarefa hercúlea de servir à Jesus e divulgar o espiritismo, demonstrando, pelo seu exemplo que, aquele que ama é sustentado nas vibrações e no Amor Divino.

Edith Burkhard, experiente na arte da tradução, verteu ao idioma alemão a formidável conferência, tornando-se figura ímpar no sucesso do evento.

Texto e fotos: Ênio Medeiros

Comments are closed.