24 agosto 2017
24 agosto 2017, Comentários 0

Divaldo Franco em Santa Catarina
Florianópolis, 24 de agosto de 2017

Profundamente comprometido com o Evangelho de Jesus e dedicação extremada ao próximo, Divaldo Franco deu início a mais uma atividade doutrinária em Santa Catarina. No dia 24 de agosto esteve em Florianópolis concedendo entrevistas para a Rádio CBN Diário; a NSC, Rede de Televisão Catarinense, afilhada da Rede Globo; e ao Jornal Diário Catarinense, onde abordou temas variados, mas principalmente centrados na temática da felicidade, da divulgação do bem, apesar da aparente vitória do mal, nos postulados espíritas, na superação das dificuldades, no conhecer-se a si mesmo, na necessidade do exercício do amor. Em qualquer dificuldade, disse Divaldo, seja você aquele que ama, desculpa, exercendo a tolerância. A solução dos problemas da Humanidade está no amor.

 

 

 

À noite, no CentroSul, Av. Governador Gustavo Richard, 850, Centro, Divaldo apresentou o minisseminário SEJA FELIZ HOJE, título do mais recente livro da autora espiritual Joanna de Ângelis. O evento, com início às 19h00min, com a apresentação do Coral Encantos, teve um público presente de 2.500 pessoas. Ao mesmo tempo, nove países acessaram através da Internet (rádio e TV), alcançando 17.000 pessoas. Divaldo completou em julho passado 56 anos de labor doutrinário em terras catarinenses, sempre semeando o amor, a tolerância, lançando luzes e bênçãos sobre as criaturas humanas.

Esther Fregossi González, Presidente da Federação Espírita Catarinense, saudou o público, acolhendo-os em vibrações de harmonia. O Dr. Juan Danilo Rodríguez, de Quito, no Equador, e autor do livro Alliyana, apresentou os cumprimentos de seus confrades espíritas equatorianos, discorrendo sobre o bem-estar e a felicidades contidos em as Obras Básicas do Espiritismo, dizendo que com o amor de Jesus nos corações é possível percorrer os caminhos da felicidade.

Traçando um paralelo entre as filosofias orientais e ocidentais a respeito da felicidade, Divaldo Franco destacou que no ocidente os pensadores se depararam com o conceito de morte, assinalando a finitude da vida. Percorrendo o pensamento de antigos filósofos com suas doutrinas a respeito da felicidade, o intimorato orador e humanista discorreu ligeiramente sobre as doutrinas atomistas, hedonista, o pensamento cínico, o estoico e o socrático, onde a felicidade está em SER, quando o homem, então, se descobre, conhecendo-se, possuindo o sentido, um objetivo para a vida.

Neste mesmo sentido, Jesus preconizou que em amando-se uns aos outros, o homem poderia desfrutar de felicidade, já que cumpriria, assim, a Lei Divina, desenvolvendo uma conduta justa e virtuosa, estabelecendo claramente o sentido da vida, autodescobrindo-se, plenificando-se no amor. Em sentido oposto, Rollo May, pensador americano, destaca que três fatores levam o homem a estados de infelicidade: o individualismo, o sexismo e o consumismo, esse representando o capitalismo moderno.

A verdadeira felicidade consiste em SER, isto é, alguém que logrou alcançar essa plenitude através de uma viagem interior, autoconhecendo-se. Fora dessa proposta, a felicidade será sempre utópica.

Com a narrativa de diversas histórias, algumas com cunho alegre e que facilitaram o riso, um mecanismo para sentir-se feliz, Divaldo Franco, pacifista e educador emérito, enriqueceu sua abordagem lúcida e dignificadora do ser humano, mesclando momentos de alegria, felicidade, apreensão e emotividade.

Você pode ser feliz hoje? A verdadeira felicidade é dar, é ser útil ao outro onde se encontre, não retendo coisa alguma, mas distribuindo-as. Felicidade é encarar os insucessos como experiências de vida. Na vida ocorrem fatos inusitados, assim, para muitos, a construção de fugas ineficazes torna-se mecanismos de escape à realidade. A felicidade é sentir e fruir de bem-estar, sem as ilusões e prazeres fugidios que a vida material propicia. A riqueza, a juventude, a beleza contribui para momentos de felicidade enganadora, por que estão alicerçadas em mecanismos impermanentes e fugazes.

A felicidade, fruída nos momentos de alegria, de utilidade e de fraternidade, plenifica, harmoniza e equilibra a criatura humana que ama, que perdoa, que se torna útil e benevolente, doando-se ao seu semelhante. É necessário que a vida possua uma meta, um sentido, mesmo experimentando fatos desagradáveis. Felicidade é a arte sublime de servir. Em uma sociedade onde alguém morre de fome não há espaço para a felicidade.

Neste diapasão, os Espíritos nobres incentivam as criaturas a descobrirem os invisíveis da sociedade, isto é, aqueles que vivem silenciosamente em aflições íntimas, na miséria social e moral. O homem deve viver de tal forma que a sua vida seja útil ao outro. A felicidade está nas mãos de cada um, assim, viver em harmonia, concórdia, amando o próximo, a criatura humana plenifica-se, facilitando o viver do outro.

Apresentando fundamentos da Doutrina Espírita, o Professor Divaldo Franco, destacou a grandiosidade e a magnitude de Deus, destacando o amor que deve ser pensado e praticado como o Cristo o fez, dando a Sua vida pela nossa. Os dias vindouros serão de plenitude, de felicidade, pois que, em abandonando o mal, o egoísmo, a tristeza, a desilusão, será possível substituir as imperfeições pelas virtudes, pelo amor incondicional.

Logo após finalizar a brilhante exposição declamando o Poema da Gratidão, de Amélia Rodrigues, Divaldo Franco foi homenageado com um mapa simbólico de Santa Catarina, que dividido em três partes, será integralmente composto ao visitar Lages e Chapecó, na sequência.

A Presidente da FEC, emocionada, externou o seu agradecimento e reconhecimento ao trabalho de inúmeros voluntários e dirigentes, que por cerca de 10 meses, trabalharam arduamente, dedicando-se integralmente a esse projeto que ora se conclui, bem como ao público que, de pronto, mobilizou-se para engalanar o evento com as suas presenças alegres.

Texto: Paulo Salerno
Fotos: Jorge Moehlecke

Comments are closed.