4 maio 2017
4 maio 2017, Comentários 0

Divaldo Franco – Salvador/BA
04 de maio de 2017 – Centro Espírita Caminho da Redenção

Quando alguém se levanta, a humanidade se levanta com ele. (Divaldo Franco)

A afiliada da Rede Globo, a TVBahia, na tarde de 04 de maio, realizou uma entrevista com o médium, professor, humanista e pacifista Divaldo Franco. José Raimundo foi o repórter. Ícone do movimento espírita, Divaldo é um homem profundamente comprometido com a obra social do Centro Espírita Caminho, a Mansão do Caminho, voltada inteiramente para a assistência social, à saúde e à educação. Sua agenda é muito intensa, necessita
ser marcada com um ano de antecedência, no mínimo, para atender suas atividades no Brasil e no exterior, nos cinco continentes.

 

 

 

Aos 90 anos, os que o observam, têm a impressão de que quanto mais o tempo passa, mais disposição possui, demonstrando uma vitalidade impressionante. Perguntado a respeito dessa sua vitalidade, disse que a Doutrina Espírita lhe preenche a vida com tanta beleza, que tomou a si a responsabilidade de divulgá-la. O Espiritismo é a fonte dessa disposição. As alegrias são tão grandes que se sente impelido a fazer mais, estendendo as suas mãos para acolher e despertar para a vida aos que se lhe acercam.

Está profundamente agradecido às companhias espirituais que o visitam, confiante de que Jesus, como prometeu, não deixará órfãos. O Reino de Deus está na consciência de cada um, que deve manter um comportamento de paz. Os Guias espirituais da humanidade auxiliam a todos que se dedicam ao bem. As alegrias e as tristezas estão presentes na vida de todos. Os atos devem responder e recomendar as ações.

Passando por provações, silenciou, embora sentindo os reflexos, recuperou-se demonstrando e atuando como Jesus ensinou, isto é, a prática do amor indistinto a todos, amigos e adversários ou inimigos. Salientou, o incansável servidor do Cristo, que todos os que se dedicam ao bem passam por situações que ensejam, não somente provas, mas também ensinamentos, aprendendo a servir saudavelmente.

O objetivo da Doutrina Espírita, destacou, é iluminar os indivíduos para a vida espiritual. Seus postulados são permanentes. O Espiritismo é a filosofia que melhor ilumina, marchando com a ciência, avançando sempre, indo além quando a ciência para.
Sobre a Mentora Joanna de Ângelis, sempre presente, mesmo nas horas difíceis, já escreveu por seu intermédio 62 obras, 16 com enfoque psicológico cristão/espírita.
Divaldo, instigado, falou das diversas reencarnações de Joanna de Ângelis, o apoio que recebe em suas palestras no exterior, enfrentando inúmeras línguas, contando com cerca de 16 intérpretes que lhe facilitam a tarefa de se comunicar com clareza.

O entrevistador também se preocupou em saber sobre a fantástica faculdade mediúnica de seu entrevistado, sobre o Movimento Você e a Paz, a atenção plena no momento presente, a saúde do médium. A alegria de viver e a certeza da ação energética do amor são fontes perenes de vitalidade e saúde. Com relação ao momento atual, Divaldo destacou um axioma, há muito cunhado por ele: Quando alguém se levanta, a humanidade se levanta com ele.

No final da tarde, o gentil e afetuoso anfitrião recebeu um grupo de amigos para um lanche, onde a confraternização e a alegria foram a tônica do encontro generoso.

No Centro Espírita Caminho da Redenção, à noite, na atividade denominada Conversando sobre Espiritismo, a mesa foi formada por Divaldo Franco, Mário Sérgio, o dirigente da reunião, Demétrio Ataíde Lisboa, João Araújo, Solange Seixas e os visitantes Padre Olavo, do Rio de Janeiro e Evandro Noleto, Diretor da Federação Espírita Brasileira.

Comemorando os 90 anos de Divaldo, a Livraria Espírita Alvorada Editora – LEAL – tendo à frente a Dra. Piedade Bueno Teixeira, homenageou o aniversariante com a entrega do Best Seller do Catálogo da LEAL, o livro Vida Feliz, em artística encadernação, em edição especial. Foram impressos 25.000 exemplares do Vida Feliz, com tradução para 12 idiomas. Também foi entregue, em comemoração, o Catálogo da Editora LEAL que apresenta
quase 300 títulos publicados pela editora, com mais de 10 milhões de exemplares vendidos. Estampa, ainda, 250 autores e a tradução das obras psicografadas por Divaldo para 17 idiomas, divulgando a Doutrina Espírita para 70 países nos 5 continentes. É um suporte para quem pretenda entender a grandiosidade da mediunidade psicográfica de Divaldo Franco. O Catálogo da LEAL é apresentado por um texto de Nilson de Souza
Pereira – o Tio Nilson, desencarnado há 3 anos. Embora datado de 16 de outubro de 2010, continua atual e ideal para essa apresentação. A atividade que se desenvolve hebdomadariamente às quintas-feiras, com o título de Conversando sobre Espiritismo, também homenageou o pacifista Divaldo com um lindo buquê de flores amarelas.

Divaldo Franco, generoso e abnegado, dirigindo-se ao público disse que ninguém consegue viver sem estímulo, incentivo e auxílio para dar continuidade nas tarefas que lhe são inerentes. As homenagens, transfere-as para a Doutrina Espírita. Ao aceitar as manifestações de carinho e ternura, agradece ao Espiritismo por tirá-lo do anonimato, surpreendendo-se pelo número e alcance das atividades que exerceu, nunca imaginadas.
Externou sua gratidão à uma amiga, que em um encontro furtuito em um transporte coletivo, amparou-o, impedindo-o de cometer suicídio. Divaldo tinha 20 anos de idade. O amor dessa mulher, médium excepcional, orientou-o na vida, na mediunidade. Divaldo classificou-a como um anjo tutelar e amoroso.

Os anos se passaram e um homem de caráter, de fibra, de honradez e temperamento forte, Nilson de Souza Pereira, deu-lhe o suporte, oferecendo-se para auxiliar durante a sua existência e além dela. Desencarnado há 3 anos Tio Nilson continua sendo o suporte, agora no mundo dos Espíritos. No panorama da memória, Divaldo salientou a presença em sua vida de três viúvas que ofereceram as suas casas para a realização das primeiras
reuniões espíritas.

Otília Gonçalves, dama de escol, em sabendo das dificuldades que Divaldo enfrentava para cuidar os seus primeiros filhos adotivos – foram mais de 680 -, disse ao marido que iria se mudar para a Mansão do Caminho e que se quisesse que a acompanhasse, o que aconteceu. Foi mais um anjo, entre tantos, que Deus colocou junto ao nobre e dedicado servidor de Jesus. Outras almas generosas foram lembradas, o casal Petitinga que o  acolheu paternalmente, dando-lhe suporte para a equação de sua vida. Filhos e netos do casal estavam presentes. Outros seres caridosos e generosos, muitos anônimos, estenderam as suas mãos em sua direção, amparando-o quando mais necessitou.

É reconhecidamente grato aos Espíritos que o perseguiram, como o Máscara de Ferro, que conviveu diariamente com Divaldo por 40 anos, sem compreender os motivos, que só mais tarde soube, ao visitar um mosteiro na França, que a gênese aconteceu no mês de abril  de 1526. Como agradecer aos Espíritos amigos que o apoiam e o auxiliam, sustentando-o sem que percebesse?

Na entrevista da tarde, o repórter perguntou: Se tivesse que pedir para a vida um presente, o que pediria? Divaldo respondeu que seria concretizar o sonho da paz íntima que Jesus nos brindou.

Evocou, também, a figura do eminente Professor Carlos Torres Pastorino, incentivador e colaborador para as primeiras publicações. Abel Mendonça, jornalista, incentivador da mediunidade psicográfica. O Casal Rafael Veiga e tantos outros souberam aplainar a estrada por onde Divaldo transitaria na vida. Divaldo destacou que possui o bom senso de reconhecer que nada fez além do seu dever e que as homenagens devem ser à Doutrina
Espírita.

Humanista e pacifista, lídimo Semeador de Estrelas, Divaldo discorreu sobre a edição e lançamento do livro Messe de Amor, a primeira obra publicada, sob a orientação e suporte seguro do Professor Pastorino; as orientações de Joanna de Ângelis traçando as metas para as psicografias dos demais livros, primeiro em etapas e depois condicionando as psicografias às forças do médium enquanto ele as tiver; as psicografias diárias de mensagens diversas.

As celebrações de amizade lhe dão um sentido à vida e que não foram em vão e sem propósitos, pois que delas necessitava, tanto quando necessita. Jesus é o amigo de todas as horas. É necessário abandonar tudo para seguí-lo, não há necessidade de fugir do mundo, mas viver no mundo de tal forma que se possa utilizar os instrumentos do mundo sem ser mundano.

Os milênios se sucedem. Jesus ofereceu e continua a oferecer suporte para que seus servos aprendam a viver. Enviou seus mensageiros, após análises do comportamento dos homens na Terra, para instruí-los, conduzi-los pelo exemplo, suavizando a caminhada, ensinando-os a amar. Tivemos entre nós os artistas e os pensadores, os pintores e compositores, os Espíritos e a Doutrina Espírita. Contudo, os homens, esquecidos dos
ensinamentos e exemplos de amor, tomaram em suas mãos as armas, desde os primitivos aos atuais, e hoje todos colhemos o efeito da insensatez, da conduta desvairada, da semeadura equivocada.

O Cristo está de volta para dar-nos forças para cumprir com nossos deveres uns para com os outros. Jesus nos enviou Francisco de Assis a nos ensinar a humildade e a caridade, o amor e a dedicação ao semelhante, à natureza e aos animais, uma amplitude das relações do homem com Deus, com a natureza e com o próximo. Os benfeitores são extremamente preocupados com os seus tutelados, como é o caso de Joanna de Ângelis que tomou a si, há 110 anos, os cuidados para com Divaldo Franco. Esta é a hora de sermos melhores, e fazermos com o coração o que devemos fazer. Finalizando, externou a sua gratidão aos que o auxiliaram nesses 90 anos de existência física. Em breve retornará ao mundo dos Espíritos, para logo em seguida, preparar-se para o retorno ao plano físico. O dirigente da atividade encerrou-a com uma prece e o público agradeceu com uma forte salva de palmas.

Texto: Paulo Salerno
Fotos: Jorge Moehlecke

Comments are closed.