19 maio 2016
19 maio 2016, Comentários 0

Divaldo Franco
Professor, médium e conferencista

foto-para-site-artigo

Segundo Joanna de Ângelis (Espírito), “o altruísmo, que é lição viva de caridade, expressão superior do sentimento de amor enobrecido, abre as portas à ação, sem a qual não teria sentido a vida (humana)”. Vivendo numa sociedade eminentemente egoísta, o indivíduo sofre os efeitos do seu próprio comportamento recebendo conforme se conduz. Sem o espírito de solidariedade a nortear-lhe os passos, as suas são ações egoicas, que somente objetivam o próprio bem-estar, tornando-o avaro e destituído das elevadas expressões do amor. Enquanto não compreendermos que o amor deve reger as nossas existências, estaremos solitários e ambiciosos, tristes e frustrados, procurando meios para alcançarmos a felicidade que parece estar sempre onde não nos encontramos.

Abraçando o altruísmo, o sentimento de fraternidade vige vigoroso, ampliando-nos os horizontes existenciais e dando-nos sentido psicológico, o que torna a vida muito mais significativa e atraente. Esse comportamento deve iniciar-se ao abrir-se a mão para auxiliar, o que resultará em abrir o coração para melhor viver. A dor do próximo passa a pertencer-nos também, e a sua solidão se nos torna um convite forte à convivência confortadora. O individualismo que atormenta as pessoas leva-as à convivência confortadora. O individualismo que atormenta as pessoas leva-as à constante preocupação de ter sempre mais, não deixando espaço emocional para distribuir alegria e esperança entre aqueles que sofrem e, sem o quererem, tornam-se ameaça à sua tranquilidade.

Este é o momento de expandirmos o altruísmo sob todas as formas possíveis. A Europa, erudita e rica, durante muito tempo vinha impondo regras eminentemente severas para impedir a entrada de estrangeiros no solo de alguns países. Agora se vê a braços com a necessidade de amparar milhões de vidas estioladas que a buscam na esperança de se reconstruírem. Em consequência, outra alternativa não dispõe, senão albergar os desamparados e sofrer-lhes as angústias e dramas que os atormentam. Evitemos aflição igual.

Divaldo Franco escreve quinta-feira, quinzenalmente.
Artigo publicado no jornal A Tarde, coluna Opinião, em 19-05-2016

Achou interessante? Passe um e-mail ou ligue para os  nºs  abaixo e comente, isso é muito importante para a permanência da coluna no referido jornal.

Central Telefônica: (71) 3340-8500
Redação:   (71) 3340 – 8800
Email – opiniao@grupoatarde.com.br

Comments are closed.